mar
11
2013

Quem poupa mais gasta menos?

A resposta à pergunta título deste texto parece ser um inquestionável sim. É claro que indivíduos mais ricos podem gastar mais e, ainda assim, pouparem mais que indivíduos mais pobres. Mas estamos, implicitamente, supondo uma renda dada. Assim, intuitivamente, quanto mais a família (ou o governo, ou o indivíduo) gasta, menos sobra para poupança. Neste artigo, pretendemos mais do que esclarecer alguns conceitos econômicos, queremos mostrar a falácia de se acreditar que um aumento na taxa de poupança pode desestimular a economia, por levar a uma queda na demanda agregada.

Em economia, poupança tem um significado diferente daquele utilizado corriqueiramente pela população. Poupança não se contrapõe a gastos, mas, sim, a consumo. Gastos incluem, além do consumo, gastos com investimento1. Em tese, gastos com consumo são aqueles que geram somente satisfação. Já gastos com investimento são aqueles que geram algum tipo de rendimento. Assim, se saio para comer em um restaurante ou se pego um ônibus, o retorno que tenho é o prazer da comida ou a satisfação de ter sido transportado (por mais desconfortável que seja o ônibus!). Já se adquiro um bem de capital ou uma residência, tenho por objetivo obter o rendimento que o capital ou o aluguel que o imóvel me proporciona. Assim, gastos de aluguel (que proporcionam o prazer dos serviços de moradia) são gastos de consumo, já gastos com compra ou reforma de imóvel (que proporcionam alugueis) são gastos de investimento.

Há casos em que a classificação do gasto como de consumo ou investimento não é muito óbvia. Por exemplo, quem compra um carro de passeio (ou qualquer bem de consumo durável), tecnicamente, estaria fazendo um investimento. O que ele consome não é o veículo, mas os serviços que esse veículo proporciona ao longo de sua vida útil. Talvez devido ao fato de esses serviços, via de regra, não serem pagos (não é comum pessoas físicas alugarem automóveis), talvez devido à vida útil do automóvel não ser tão longa (comparativamente, digamos, à de uma casa) ou pela dificuldade de mensuração do valor dos serviços proporcionados pelo veículo, as contas nacionais computam os gastos com aquisição de veículos (e dos demais bens de consumo duráveis e semi-duráveis) como gastos de consumo.

A questão da educação é ainda mais controversa. Mesmo com uma vasta literatura sobre capital humano, as contas nacionais ainda consideram educação como gasto de consumo.  Assim, um país que investe proporcionalmente mais em capital humano do que em capital físico aparece, na comparação internacional, como um país que investe pouco e que consome muito.

Poupança não é a diferença entre a renda e gastos, mas a diferença entre renda disponível (isto é, líquida de impostos) e o que foi consumido. Dessa forma, não há uma relação biunívoca entre gastos e poupança ou entre gastos e consumo. Suponha um indivíduo que gaste todo o seu salário, mas que, desse total, 70% seja destinado a serviços e bens utilizados no dia a dia, e os 30% restantes, para a reforma de sua casa. Nesse caso, o seu consumo será de 70% da renda e sua poupança será de 30%. Esses 30% corresponderá também ao investimento feito pelo indivíduo – o capital que ele acumulou no período.

Mas o indivíduo pode consumir os mesmos 70% da renda e aplicar o restante no sistema financeiro, adquirindo algum título (como caderneta de poupança, CDB ou fundo de renda fixa ou mesmo deixando em conta corrente). Nesse caso, ele estaria gastando 70% de sua renda, pouparia30%. Diretamente, esse indivíduo não estaria investindo. Indiretamente, contudo, é possível que sim. Afinal, os recursos que foram para o sistema financeiro retornam para a economia na forma de empréstimos. Se o tomador utilizar os recursos para investir, o valor poupado pelo aplicador será exatamente igual ao valor investido pelo tomador do empréstimo. Mas se a tomador utilizar os recursos para o consumo (por exemplo, para comprar um carro, ou o governo, para pagar funcionalismo), a poupança agregada da sociedade seria nula, pois a poupança daquele indivíduo que poupou e aplicou no sistema financeiro seria exatamente igual à despoupança do tomador de empréstimo.

Dessa discussão pode-se concluir que um aumento da taxa de poupança não implica redução da demanda por gastos, somente altera sua composição. Em uma economia fechada (que não transaciona com o exterior), isso significa maior produção de bens de investimento e residências, e menor produção de bens de consumo. Para uma economia aberta, maior poupança pode significar também maior exportação. Não é por menos que países do leste asiático, com altas taxas de poupança, não enfrentam problemas de falta de demanda agregada. Pelo contrário, são países cujas taxas de crescimento estão entre as mais altas do mundo.

Essa conclusão parece contradizer a ideia de inspiração keynesiana, de que,se pouparmos mais, as empresas não terão para quem vender e irão produzir menos, gerando desemprego, o que, por sua vez, irá gerar menor demanda, desestimulando ainda mais a produção. Qual das duas está correta?

Em primeiro lugar, não se pode confundir gastos com consumo. Como vimos, podemos aumentar os gastos e até reduzir o consumo, basta que se aumente a taxa de investimento. Para sustentar a demanda agregada no curto prazo, é indiferentes e os gastos ocorrem sob a forma de consumo ou de investimento. No longo prazo, é claro, maiores gastos com investimento implicarão uma sociedade mais rica, pois aumenta a sua capacidade produtiva.

Mas, haveria investimento se o consumo fosse baixo? Em outras palavras, porque alguém investiria se soubesse que não iria vender seus produtos? Em primeiro lugar, o investimento pode ser feito para atender o consumo externo, como ocorre no citado exemplo do leste asiático. Entretanto, mesmo em economias fechadas, pode-se alterar a composição do PIB, aumentando a participação da indústria de bens de capital. Ou seja, os empresários investiriam para produzir máquinas, e não bens de consumo. Parece estranho dizer que a economia produziria máquinas para produzir mais máquinas. Mas isso faz sentido porque se o investimento é maior, sabe-se que a economia estará mais rica no futuro e as pessoas consumirão mais. Mesmo que o consumo como proporção da renda seja baixo, com a renda crescendo, o montante consumido aumenta. Novamente, o exemplo chinês ajuda a entender: os chineses poupam cerca da metade de sua renda, mas o consumo aumentou exponencialmente nos últimos anos, com o maior enriquecimento da sociedade.

Apesar de haver controvérsias quanto ao diagnóstico, muitas crises são vistas como decorrentes de falta de demanda agregada, ou seja, o gasto agregado (e não somente o gasto com consumo) cai, desestimulando a produção e fazendo a economia entrar no círculo vicioso de menor produção, aumento do desemprego, queda na demanda agregada, menor produção, etc. A solução para esse problema é estimular o aumento do consumo e a redução da poupança?

A resposta depende do diagnóstico (enfatizando que mesmo o diagnóstico de crise por insuficiência de demanda agregada é controverso). Se a causa do problema for entendida como uma rigidez de preços, de salários, de bens de consumo e de ativos em geral, não é muito claro se um aumento do consumo, comparativamente a um estímulo maior para investimentos, poderia fazer o país sair mais rapidamente da crise. Tendo em vista os benefícios do investimento para o longo prazo, seria mais adequado focar em uma política de aumento de investimentos.

Mas se o diagnóstico for de que, por algum motivo, os empresários não querem investir (como diria Keynes, quando os “espíritos animais” dos empresários estão adormecidos)? Nesse caso, é possível que um aumento no consumo (e consequente redução da poupança) tenha um impacto mais imediato sobre os gastos e, com isso, amenize a crise. Nessas situações específicas, de fato, pode fazer sentido políticas de desestímulo à poupança.

Mas, via de regra, uma política de estímulo à poupança deve ter como norte uma perspectiva de longo prazo, e não de ciclo econômico. Poupança nada mais é do que abrir mão do consumo presente para se consumir no futuro. Assim, políticas econômicas que visem o aumento ou redução da poupança devem ter em mente o dilema entre consumir mais hoje ou consumir (bem) mais no futuro.

____________
1 Em economias abertas e com governo, os gastos incluem também os gastos governamentais e as exportações líquidas. Os gastos do governo, contudo, também podem ser decompostos entre consumo do governo e investimento do governo.

Download:

  • veja este artigo também em versão pdf (clique aqui).

Sobre o Autor:

Paulo Springer

Editor do Brasil-Economia-Governo, Consultor Legislativo do Senado Federal e Professor do Programa de Mestrado em Economia do Setor Público do Departamento de Economia da UnB.

6 Comentários Comentar

  • Acredito que a sua análise aplica-se para o problema atual que o atual governo brasileiro enfrenta com relação à inflação.
    O recrudescimento da inflação tem a ver com a falta de qualidade do gasto público, ou o componente do gasto público que está tendo maior peso é justamente o de custeio para manter a máquina pública funcionando. Como o investimento público não pode parar, já que em sua maioria são investimentos sociais, resta concentrar a atenção em como reduzir o gasto com custeio.

    • Daniel,

      Obrigado pelos comentários. Só gostaria de fazer um reparo referente aos investimentos sociais. Independentemente do nome que se adote, esses investimentos sociais são gastos de custeio. Alguns, como disse no texto, até poderiam ser considerados investimento, como educação, mas outros gastos sociais, como bolsa família, aposentadoria, etc, acho bem mais razoável manter a denominação atual, de gastos de custeio. Um abraço

      Paulo

      • O governo atual deveria estimular a poupança, e não consumo, como faz via oferta de crédito. Deveria aproveitar a ascenção da classe C e estimular a poupança privada. E tem mais, aproveitando o comentário do Nilson: Este governo não vê o dispêndio das famílias em educação como investimento, haja vista o baixo valor de desconto no IR com este item, o que provocou uma ação da OAB no Supremo.

      • Gostaria apenas de fazer uma observação com relação aos gastos socias em relação ao próprio texto, devemos fazer uma diferença entre consumo e investimento. Aposentadoria, bolsa família, etc (consumo social) melhorar estradas, aumentar os aeroportos, melhorar a rede de esgoto, água, luz, segurança pública, promover internet rápida, etc. (investimento social) ainda que isso que seja na área social vai promover a infraestrutura que as empresas proucuram quando querem se instalar numa região ou país, além de diminuir o custo final que fazem parte dos preços para os cosumidores e ainda estimula a economia na área de construção que implica trabalhadores em todos os níveis (básico, médio e superior). Eu vejo o investimento social nessa área de infraestrutura como um dos maiores obstáculos para a economia brasileira.

  • Texto muito útil para um debate que se pretenda consistente sobre política econômica, conflitos inter-geracionais, papel do Estado e indutores de desenvolvimento.
    O autor também deixa aberta uma preocupação que deve ser de todos: gasto com educação ser tratado como consumo e não investimento.

  • Muito bom o artigo.
    Expôs o erro de um argumento recorrente de certos economistas (especialmente os responsáveis pela política econômica do governo).

    Em meio a crise, em 2008-2009, a escolha do governo foi a de diminuir o IPI, para elevar o consumo. O que você acha disso?

    Não seria uma boa oportunidade para o governo ter estimulado investimentos (fazendo concessões e diminuindo impostos da economia em geral)?

    O Brasil, sabe-se, tem um índice de investimento baixo, quais seriam suas ideias sobre como o governo pode tirar os obstáculos que freiam os investimentos no país?

Inscreva-se

Publicações por data

2654986914