abr
11
2011

Por que não regionalizar o salário mínimo?

Apesar dos esforços econômicos e dos avanços significativos obtidos com as políticas que conduziram à estabilidade de preços e à distribuição de renda, via programas sociais, nos últimos 16 anos, a desigualdade ainda persiste no Brasil. Nosso país ainda precisa avançar muito na composição de políticas econômicas e sociais que atendam ao objetivo de melhorar a vida dos brasileiros de forma perene.

Um tipo de desigualdade que continua presente em nossa sociedade está relacionada à determinação do salário mínimo. No Brasil, o valor do salário mínimo é determinado pelo Poder Executivo Federal. Na verdade, o valor é previsto no orçamento e vem sendo fixado por Medida Provisória, que tramita no Congresso Nacional, sendo que os parlamentares podem alterar o valor do piso nacional durante as discussões. Havendo alteração, a matéria vai à sanção do Presidente da República, que pode vetá-la.

O salário mínimo serve de base para qualquer contrato no mercado de trabalho. Nenhum trabalhador, independentemente da região, área rural ou urbana, poderá receber menos do que o mínimo estabelecido pelo governo. Ademais, este salário também serve de indexador para outros contratos de trabalho e para o nível básico das aposentadorias do INSS. Mais, o mínimo afeta a folha de pagamento de todos os estados e municípios brasileiros, de modo que os reajustes promovidos conduzem a custos fiscais elevados, a depender da decisão do governo federal e do Legislativo, evidentemente, uma vez que se pode dizer que é uma decisão conjunta. Discordâncias entre os Poderes Executivo e Legislativo conduzem a matéria a uma negociação política cujo resultado dependerá da resultante das forças em jogo.

Um problema claro na determinação de um salário mínimo nacional é não levar em conta as diferentes realidades regionais, tanto de renda quanto de nível de preços. Por exemplo, uma prefeitura que tem poucos recursos pode ter dificuldades em pagar um salário mínimo muito alto, enquanto prefeituras com mais recursos são pouco afetadas pelo mínimo nacional. Este tipo de política, portanto, ajuda a manter os níveis de renda equiparados entre as prefeituras do país, mas cria problemas fiscais para aquelas de menor receita per capita. Quando o salário mínimo federal aumenta, ele eleva os gastos dos estados e municípios ricos e pobres de forma desproporcional. Muitos estados e municípios ficam engessados, com uma folha inchada.

Um segundo problema está relacionado ao fato de que o salário mínimo nacional não leva em conta as desigualdades no nível de preços. Usando os dados da cesta básica do Dieese, podemos fazer comparações simples. A cesta básica, em São Paulo, custava R$ 265,15 em dezembro de 2010. Este valor era de R$ 175,88 em Aracaju. Uma diferença de 50,75%. Isto somente para alimentação. Ou seja, o poder de compra de um indivíduo que recebe o mesmo salário mínimo e que, por hipótese, consuma a grande maioria dos bens componentes da cesta básica, é muito maior em Aracaju do que em São Paulo.

Finalmente, devemos levar em conta os efeitos microeconômicos sobre a oferta e demanda por trabalho em cada região. Certamente, alguns trabalhadores de Aracaju estariam dispostos a trabalhar formalmente por um valor inferior ao mínimo. Mas, talvez, o salário mínimo não afete muito o equilíbrio entre oferta e demanda em São Paulo. Como resultado, o mercado de trabalho estaria equilibrado em São Paulo, mas haveria um excesso de oferta de trabalho em Aracaju. Evidentemente, seria razoável supor que também um piso faria todo sentido em Aracaju, mas muito provavelmente ele não seria, em um ambiente com regras regionais, e não nacionais, idêntico ao de São Paulo.

Uma política mais eficiente seria levar estas desigualdades regionais em consideração. A nossa proposta, então, seria a de criação de um salário mínimo regional, determinado pelos estados. Cada estado elaboraria sua própria política salarial, levando-se em conta as desigualdades de renda. Isto já acontece, parcialmente. Estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, por exemplo, possuem mínimos regionais acima do piso nacional. Em São Paulo, existem, inclusive, diferentes faixas salariais de acordo com a profissão. O que não acontece é uma mudança no sentido contrário, ou seja, um salário regional abaixo do nacional.

Este tipo de política permitiria uma separação dos problemas gerados pelo salário mínimo nacional: elevados custos para os estados/municípios pobres, desigualdade do poder de compra e efeitos de oferta e demanda no mercado de trabalho. É verdade que, mesmo dentro dos estados, há heterogeneidade quanto à capacidade de remuneração dos municípios. Mas, como a heterogeneidade tende a ser menor no nível estadual, as finanças dos municípios mais pobres serão provavelmente menos afetadas em um contexto de determinação regional do salário mínimo.

Ao primeiro olhar, pode-se pensar que esta política exacerbaria as desigualdades regionais, já que provavelmente o mínimo de São Paulo seria (e de fato é) maior do que o de Aracaju, escolhendo duas cidades como exemplos práticos para que diferenças bastante evidentes possam ser colocadas em destaque nesta breve análise. Mas as pessoas se esquecem das desigualdades de poder de compra. Este é o ponto fundamental. Um aluguel é muito maior em São Paulo do que em Aracaju, e o mesmo vale para a cesta básica, como vimos anteriormente. Sem mencionar que, efetivamente, municípios mais pobres, sob a nova regra regional, passariam a ter maior disponibilidade de receitas para gastar em outros programas. Tais programas poderiam gerar maiores benefícios à população pobre, quando comparado ao pagamento de salários, que muitas vezes beneficiam um seleto grupo de habitantes locais, que recebem rendimentos superiores à realidade da média da população local, sem a devida contraprestação de serviços públicos. Em outras palavras, a população mais pobre poderia ser beneficiada com programas de investimento em educação, transferência direta de renda e outros tantos que poderíamos gastar mais outros milhões de caracteres para descrever!

Essa política regional possibilitaria uma maior organização das finanças públicas de estados e municípios, que poderiam investir mais em serviços públicos e, ao mesmo tempo, permitiria um equilíbrio mais próximo do equilíbrio de mercado em cada um dos mercados de trabalho locais.

No entanto, para elaborar tal política, seria necessário alterar a Constituição Federal, pois o inc. IV do art. 7º da Carta Magna dispõe que o trabalhador tem direito a “salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado”. Essa alteração envolve um custo político extremamente elevado, mas que merece ser enfrentado.

Downloads:

  • veja este artigo também em versã o pdf (clique aqui).

6 Comentários Comentar

  • Gostei do post, mas uma aspecto que precisam considerar, caso queiram desenvolver esse projeto de vocês, é que, no Brasil, quase ninguém recebe com base no salário mínimo. O valor nominal do salário mínimo afeta principalmente os benefícios sociais e previdenciários pagos pelo Governo Federal.

  • Olá, Cristiano e Felipe!

    Seu artigo é muito bom, mas não compreendo um ponto: ao manter um salário mínimo nacional, não se está, na prática, definindo um piso para vários salários mínimos estaduais? Assumindo – talvez ingenuamente – que se possa definir um salário mínimo nacional que leve em conta as questões apresentadas, ele não pode ser uma ferramenta para garantir que o estado definirá um salário mínimo justo? Ou mesmo, não seria este salário mínimo nacional um valor padrão?

    Até mais!

  • A discussão é interessante, mas não é ingênuo supor que prefeituras ou governos estaduais das regiões mais pobres do país gastariam bem o dinheiro poupado com o salário mínimo menor?

    O salário mínimo, mesmo considerando o custo de vida menor no Norte/Nordeste, ainda não está perto de satisfazer as necessidades de uma família. É difícil conceber que o governo gastaria melhor o dinheiro dessas famílias (pobres) a favor delas do que elas próprias.

  • Adam,
    sim, quando definimos um salário mínimo nacional ele serve de piso para todos os estados. Ricos e pobres. Mas, ele pode ser muito alto para os mais pobres. O que compromete a saúde financeira destes locais. De fato, alguns estados já tem mínimo acima do nacional. A questão é que se a discussão fosse feita dentro de cada estado, então cada estado (e seus habitantes) teriam mais autonomia para tomar suas decisões.
    Abraço,
    Cristiano

  • Pedro,

    não é ingênuo. As sociedade tem o direito de escolher o que faz com o dinheiro. Quando damos esse direito por meio do voto sempre supomos que o uso será o melhor possível.

    No fundo, o seu ponto é que uma vez recolhidos os impostos, nós deveríamos devolver pra população (via salário mínimo alto) já que o governo vai gastar mal. Mas, um salário mínimo alto causa muitas distorções. Em particular, deixa pessoas na informalidade.

    É verdade que ele é baixo. Mas pense em uma família que o pai ganha um mínimo de 540 e a mãe está na informalidade, talvez fosse melhor que ambos estivessem no setor formal ganhando 400 de salário mínimo mas contando com todos os benefícios (FGTS, férias, etc.).

    Abraço,
    Cristiano

  • acho que o salario minimo deveria ser muito mais do que 724.00 reais deveria ser mais ou menos uns 1400.00 reais tirar esse renda minima bolsa familia e simum salario minimo digno pro trabalhador brasileiro , porque que senador deputado e vereador ganham uma fortuna de salario, pra que tanta gente na politica sem fazeren nada é dinheiro jogado fora deveriam de tirar mais da metade desses politicos aisim sobraria mais denheiro no cofre publico, o trabalhador brasileiro nao precisa de esmola e sim de um salario justo

Inscreva-se

Publicações por data

2654986914